sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Rodrigo Dantas pode ser o novo atacante do VEC

O novo atacante do VEC para a segunda fase do campeonato gaúcho pode ser Rodrigo Dantas. A direção pentacolor já entrou em contato com este jogador, que poderá chegar a Veranópolis na semana que vem.
NomeRodrigo Francisco Lima Dantas
NacionalidadeBrasil
Data de Nascimento1985-12-26
NaturalidadeRecife (PE)
PosiçãoAtacante
Altura1.85 cm
Peso83 kg

Pior momento do VEC dos últimos anos

O Veranópolis Esporte Clube (VEC) enfrentará o Caxias, às 18h30min deste domingo, no Estádio Centenário, pelas quartas de final do primeiro turno do Gauchão Coca-Cola, sob o comando interino do auxiliar Ademir Bertoglio. Leandro Machado, que sucedeu Edson Porto após a derrota por 3 a 0 para o próprio Caxias em 30 de janeiro, está deixando o clube após somente três partidas. Machado estreou levando 4 a 1 do São José-PoA, na Morada dos Quero-queros, em Alvorada, ganhou de virada do Inter, por 2 a 1, no Antônio David Farina, e, no último fim de semana, sofreu 4 a 2 do Ypiranga, no Colosso da Lagoa. Apesar da derrota, a equipe se classificou para as quartas de final do turno em quarto lugar no grupo.
— Foi uma decisão de comum acordo, porque todos entendemos que os objetivos não haviam sido alcançados. Nossa prioridade agora é fazer um bom segundo turno — declarou, há instantes, o presidente do clube, Gilberto Generosi.

A BRIGA
 Um jantar de confraternização de atletas do Veranópolis para ver o jogo do Santos pela Libertadores quase terminou em tragédia e gerou a demissão de dois jogadores. Cinco atletas reuniram-se na casa do zagueiro Anderson Bill. No entanto, durante uma discussão, o atacante Gilson usou uma faca para ameaçar o meia Marcos Paraná, que, assustado, pulou da sacada e fraturou duas costelas. Como resultado, a diretoria do clube rescindiu o contrato de ambos os atletas.
— Foi uma vergonha para o clube, mas já fizemos o que tínhamos de fazer: rescindir o contrato dos dois. — afirmou o presidente do Veranópolis Gilberto Generosi.

— Isso prejudicou a carreira dos dois. Poderia ter sido mais trágico, causado uma morte. Eles sujaram o nome do clube e do elenco.
Generosi afirmou que, ao contrário do companheiro, explosivo, Gilson tem bom temperamento:
— O Marcos é muito nervoso, agitado, jogou quatro jogos e foi expulso em dois por agressão. Já o Gilson era calmo dentro e fora de campo.
O presidente mostrou-se envergonhado com o incômodo causado pelos atletas:
— Causaram um vexame no condomínio onde isso aconteceu. Há pessoas que trabalhariam cedo no dia seguinte e eles ficaram até as duas da manhã para se acalmarem.
Plantel reduzido e técnico de saída
Em relação às baixas no elenco, Gilberto Generosi comentou que os dois farão falta, mas ressalta a decisão da diretoria:
— Trabalhávamos com 24 atletas, hoje estamos com 22. Traremos mais três para melhorar nosso plantel em quantidade e qualidade. Mesmo assim, tomamos a decisão certa em rescindir com eles.
Os dois jogadores não serão os únicos a deixar o clube.


Marcos Paraná: "Me resta aceitar"
O meia Marcos Paraná, que se recupera em casa, preferiu não comentar a rescisão de seu contrato:
— Não sei se eu merecia, não sei o que se passa na cabeça dos dirigentes, mas sempre me dei bem com todos no clube.  Só tenho de aceitar o que eles decidirem — disse o atleta. No entanto, o atleta relutou em comentar o incidente:
— Não gosto nem de lembrar o que aconteceu. Prefiro pensar que é passado e me preocupar em voltar a jogar.