terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Confira a matéria com Julinho Camargo no Clicrbs

Nesta quarta-feira, 19h30min, Julinho Camargo comandará pela primeira vez uma equipe na Arena do Grêmio. Com seu Veranópolis, que faz boa campanha no Gauchão, atual terceiro colocado do Grupo A com 9 pontos, pretende surpreender o time da casa, treinado por seu amigo Enderson Moreira. Embora admita a superioridade gremista, Julinho garante que seu time não se apequenará em campo.
— Vamos defender e atacar, não será jogo de um time só — garante Julinho. 
Zero Hora — A que você credita esta boa campanha no Gauchão?
Julinho Camargo — Nós temos um grupo de médio porte, e o clube, que tem uma estrutura de trabalho muito boa, é muito sério. É a minha terceira passagem por aqui. Contratamos nove jogadores este ano, o grupo está comprometido, é muito bom de trabalhar. Isso ajuda bastante.

ZH — Qual é o principal destaque do teu time?
Julinho — O conjunto é que está firme. Ainda é cedo para destacar alguém. Estamos fazendo bons jogos, mantendo uma regularidade. O campeonato está muito equilibrado, um jogo mais difícil que o outro. Claro que jogar com a dupla Gre-Nal é mais complicado. Até porque nossa disputa não é com eles, é com gente do nosso tamanho.

ZH — Enfrentar o Grêmio terá algum gosto especial para ti?
Julinho — Eu tenho carinho enorme não só pelo Grêmio, mas também pelo Inter. Foram 15 anos da minha vida trabalhando na dupla Gre-Nal. Muitas lembranças boas, tenho amigos nos dois clubes.

ZH — Você treinou o VEC no último jogo do Olímpico e agora fará seu primeiro na Arena.
Julinho — Aquele jogo foi histórico, o último mesmo né. O Grêmio ganhou com aquele gol do Werley (o jogo terminou 1 a 0). Agora vamos conhecer a Arena, um grande estádio. O Brasil, até pela Copa, está evoluindo neste quesito. Será mais um atrativo.

ZH — Qual será a estratégia do VEC contra o Grêmio? Ataque ou defesa?
Julinho — Contra a dupla Gre-Nal, você precisa tentar equilibrar a partida. A equipe deles é superior, não há nenhum demérito em reconhecer isso. Vamos defender e atacar, não será jogo de um time só. Temos de anular as ações deles e fazer com que as nossas prevaleçam. Futebol é imposição de um pensamento sobre o outro. A dificuldade será extrema por conta da qualidade do grupo e a competência do Enderson, por quem eu tenho um grande apreço.

ZH — De onde você conhece o Enderson?
Julinho — Em confrontos na base, na época ele treinava o Cruzeiro. Conheço bem o trabalho dele, é uma ótima pessoa. É da escola mineira, como o Marcelo Oliveira e o Ney Franco.