terça-feira, 15 de abril de 2014

Festa da FGF - Dupla Gre-Nal domina, e Brasil-Pel emplaca dois na seleção do Gauchão



Treinador: Abel Braga

Craque: Aránguiz
Revelação: Luan
Árbitro: Márcio Chagas
Dirigente: Marcelo Medeiros

O Gauchão terminou no domingo, com a goleada impiedosa do Inter sobre o Grêmio. Mas o desfecho oficial se deu na noite de segunda-feira, em evento luxuoso em Porto Alegre. E sem a supremacia colorada que fora vista no gramado do Centenário. No anúncio da seleção do campeonato, cinco colorados estiveram presentes, contra quatro gremistas e mais dois representantes do Brasil de Pelotas, campeão do Interior e dono da melhor defesa - não por acaso o goleiro e um zagueiro.

No futebol assistentes mulheres combatem assédio com profissionalismo

Maira Labes, Fernanda Colombo e Ana Paula Oliveira: assistentes que 'combatem' o assédio no futebol com profissionalismo mostrado em campo 
Elas apitam finais de campeonato, clássicos estaduais e brasileiros, partidas internacionais, trabalham para a CBF e para a Fifa, realizam os mesmos testes físicos e práticos. E, ainda assim, seguem sofrendo com um tanto de preconceito por parte dos homens. O mesmo com relação ao assédio masculino. É 'musa' para cá, 'gata' para lá... Tem até espaço para o 'gostosa', como a assistente Maira Labes escutou há uma semana, em partida válida pelo Campeonato Catarinense. Segundo a súmula da partida contra o Chapecoense, ao ser expulso de campo, o técnico Celso Teixeira, do Juventus, proferiu à bandeirinha: "Vou sair, sua gostosa". Na visão da assistente, tratou-se apenas de um xingamento "normal" de jogo, assim como seria feito caso o assistente em questão fosse um homem. Minimizou a questão. Não julgou ter malícia na forma como foi chamada. E, em poucas palavras, ainda afirmou que não sofre com assédio no futebol. No máximo, uma "brincadeirinha". 
Fernanda Colombo é outra assistente 'musa' de SC
A receita para evitar comentários desnecessários ou convites constrangedores é manter o profissionalismo e a seriedade sempre no ambiente de trabalho. O foco das assistentes mulheres é ser reconhecida pelo que executam em campo, única e exclusivamente.- Neste caso, o assistente masculino seria xingado da mesma forma. Eles tentam atingir a arbitragem de alguma forma. Acho que com as mulheres até há um cuidado maior para não ofender - disse, em conversa com o GloboEsporte.com, completando: - Nunca sofri assédio, não tem isso. No máximo uma brincadeirinha. Claro que a beleza da mulher traz um atrativo a mais para o jogo de futebol, mas nós buscamos a valorização do nosso trabalho, sermos reconhecidas como profissionais, termos igualdade na profissão. Para isso, temos de continuar fazendo um bom trabalho, nos impormos, nos darmos valor, termos seriedade e sermos responsáveis. Não se pode usar a profissão como meio de busca de outros aspectos - afirmou Maira.
A mesma opinião é compartilhada pela também catarinense Fernanda Colombo Uliana. A bandeirinha adota o discurso da colega e diz não haver assédio. As duas, porém, trabalharam na final da Copa do Brasil Sub-20 do ano passado, vencida pelo Santos sobre o Criciúma, e receberam elogios públicos do volante Misael, autor do gol que deu o título ao Peixe apesar da derrota por 3 a 1.
Maira Labes (D) e Ana Paula Oliveira (C) com Nadine Bastos (E) em evento teste do Maracanã
- Não vou mentir. No aquecimento, quando a gente veio reconhecer o gramado, dei uma olhada e pensei: 'Po! Estão de parabéns!'. Não tenho nem o que falar. Se conseguisse o número (de telefone) pelo menos, para dar uma xavecada - falou o jogador, na época.
- Não tem muito assédio, não. E quanto mais profissional a competição, os times, muito mais difícil ainda de acontecer. Mas, quando acontece, temos de brincar. Não se pode levar a sério. E sobre a beleza, não pode prejudicar o nosso trabalho. Isso tem de ficar em segundo plano. A gente tem de demonstrar sempre em campo as nossas qualidades - opinou Fernanda.
Com relação ao preconceito, a assistente crê que "não há tanto". As manifestações mais visíveis acontecem nos xingamentos proferidos no calor da partida e o fato de ser mulher acaba contribuindo para que eles sejam mais intensos.
- Não há tanto machismo assim. No calor da partida, acabam te xingando. Mas os homens também são xingados. A ofensa mais 'sexual', no caso, acaba sendo mais com as mulheres. Mas isso é algo da sociedade, a sociedade age desta maneira. O fato de ser mulher acaba sendo um motivo a mais para os xingamentos. Mas no ambiente profissional, buscam tratar a gente super bem, temos um relacionamento muito saudável com todos, de respeito e amizade - explicou.
A voz da experiência
Ana Paula Oliveira em partida pelo Campeonato Paulista
Hoje aposentada dos gramados - porém, sem deixar o futebol de lado, atuando como comentarista de arbitragem e apitando jogos festivos -, Ana Paula Oliveira vê que houve uma evolução contra o machismo, embora não o enxergue finalizado. Para a ex-bandeirinha, ainda há muito o que se conquistar no futebol pelas mulheres. Logo ela, que já apitou finais de Campeonato Paulista (2003, 2004 e 2007), final de Copa do Brasil (2006), jogos de Libertadores e Olimpíadas e vê apenas a Copa do Mundo como falta na sua carreira.
Ana Paula nunca presenciou um caso como o de Maira, em que precisou escutar algo dentro de campo. Porém, em 2007, teve seu trabalho questionado pelo vice de futebol do Botafogo utilizando como argumento apenas o fato de ser mulher.
Você pode falar sobre a árbitra, mas fale sobre o trabalho dela, sobre a sua competência. Não se limite ao gênero
Ana Paula Oliveira
- Ela é totalmente despreparada. Errou dois lances seguidos. Não vejo mulher em Copa do Mundo, não vi mulher na final da Liga dos Campeões, nem nas decisões mais importantes do mundo, mas colocaram uma mulher hoje, justo contra o Botafogo, que nos deu um prejuízo de R$ 2,5 milhões, além da tristeza e sofrimento da torcida e abatimento dos jogadores - disparou Carlos Augusto Montenegro após partida contra o Figueirense pela Copa do Brasil daquele ano, em que, apesar da vitória por 3 a 1, o Alvinegro foi eliminado da competição e teve dois gols anulados pela então assistente.
Para a paulista, aquele foi um momento de infelicidade do dirigente. Ela garante que nunca teve problemas em receber críticas, desde que fossem direcionadas ao seu desempenho e não ao seu gênero.
- Não acompanhei o caso da Maira, então prefiro não opinar. Mas eu nunca fui ofendida no campo de jogo. Nunca chegou aos meus ouvidos um atleta ou um treinador que me faltasse com respeito. Naquela ocasião, foram declarações infelizes do dirigente. Em vez de se limitar a falar da questão técnica, ele falou do fato de eu ser mulher. Não avaliou o meu trabalho. Ele avaliou apenas a Ana Paula mulher. Você pode falar sobre a árbitra, mas fale sobre o trabalho dela, sobre a sua competência. Não se limite ao gênero - contou.
Antes contrária à medida, hoje Ana Paula vê com bons olhos a decisão da CBF em equiparar os testes físicos entre mulheres e homens que queiram apitar competições nacionais. Dessa forma, avalia, não há desculpas para que uma mulher não venha, no futuro, a apitar uma Copa do Mundo, uma vez que consiga ter sucesso nas provas.
Atualmente, são realizados igualmente primeiro uma etapa de seis tiros de 40 metros, com um descanso de 15 minutos ao final. Depois, seguem-se 20 a 24 tiros de 150 metros, que precisam ser finalizados em 30 segundos cada, intercalados com caminhadas de 50 metros, com tempo máximo de 45 segundos.
- O machismo não desapareceu, só se está lidando melhor. Ainda temos muito o que conquistar. Temos muitas meninas atuando hoje, mas ainda temos dificuldade na questão física. É preciso fazer o mesmo teste que o homem. Até fui contrária no início, mas hoje entendo que é positivo. Igualando o teste, você equipara as condições. Então não tem mais desculpa. Se desenvolver o processo com competência e passar, podemos até ver uma mulher apitando uma Copa do Mundo, quem sabe - aposta.
Fonte: Globoesporte.com

Em Vila Flores, última rodada e as quartas de final do sete

No sábado, 12 de abril, na Comunidade de São Caetano, aconteceu a última rodada da fase de classificação do campeonato de Futebol 2014.
Em jogo único da rodada, o Clube Aimoré derrotou o São Caetano pelo placar de 5 a 0, com gols de Leomar, Andrei (2x) e André (2x).
As quartas de final serão disputadas dia 26 em São Lourenço, com a seguinte data e partidas:
Vila Nova x Faixa Azul - 13h:30min
São caetano x Caravágio - 15h:30min

Confira a classificação da primeira fase do futsal de Veranópolis


Veranópolis: Definidos os classificados no Campeonato Municipal de Futsal 2014


Nesta segunda-feira, dia 14, foi realizada a última rodada da primeira fase do Campeonato Municipal de Futsal 2014, no Ginásio Poliesportivo Leonir Antônio Farina. Os jogos foram:



Masculino – Independente A/K13 1 x 2 Regbol
Masculino – Metralhas 3 x 1 Vila Nova
Masculino – Kizomba 2 x 3 Independente B/K13
Masculino – Valverde 7 x 1 Porto Viro
Com os resultados, as quartas de final que serão disputadas na próxima quarta-feira, dia 16, serão:
19h – Masculino – Construwilson/Amigos do Sineta x Independente B/K13
20h – Masculino – Valverde x Regbol
21h – Masculino – Haliança x Vila Nova
22h – Masculino – Metralhas x Independente A/K13
As semifinais acontecem nos dias 21 e 23, tanto para masculino, quanto feminino.

Icasa consegue liminar para jogar Série A do Brasileiro e complica eleição da CBF

O Icasa conseguiu nesta terça-feira, na Justiça do Rio, liminar que obriga a CBF a colocar o time cearense na primeira divisão do Brasileiro em 24 horas. De acordo com o advogado do clube, Carlos Eduardo Guerra, o time foi à Justiça por irregularidade na escalação de um jogador do Figureirense, que não foi punida pelo STJD. A liminar só cita a inclusão do Icasa na primeira divisão, e não explica se alguém seria rebaixado. Caso a CBF não a cumpra, irá pagar uma multa diária de R$ 100 mil. Ainda segundo o advogado do Icasa, a liminar faz com que o time ganhe direito de votar na eleição desta quarta-feira para a presidência da CBF, que, além dos presidentes das federações estaduais, prevê votos dos clubes da primeira divisão. A próxima audiência do caso está marcada apenas para 31 de julho deste ano.
Entenda o caso:
Em 7 de fevereiro que o Icasa entraria com ação contra o Figueirense no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) alegando que o time catarinense escalou o volante Luan teria atuado de maneira irregular na partida com o América-MG, dia 28 de maio, pela 2ª rodada da Segundona.
Segundo o clube cearense, Luan foi emprestado ao Metropolitano-SC, mas foi devolvido antes do término do contrato de empréstimo. Contra o América, ele teria entrado em campo com o vínculo de sua equipe anterior ainda em vigência, ou seja, teria atuado com dois contratos simultâneos.
O que poderia complicar as esperanças do Icasa é que, segundo o artigo 165 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), a equipe de Juazeiro do Norte teria 60 dias para fazer a denúncia a partir da data da irregularidade. Como não o fez, o caso já teria prescrevido.
O time alviverde alega, contudo, que a denúncia é válida pela Procuradoria não ter oferecido denúncia, conforme o ítem D do inciso 6º no artigo 165:
"De acordo com o departamento jurídico do clube, a denúncia de ação disciplinar e administrativa, ainda tem prazo para ser efetuada por conta do que prescreve o Artigo 165-A que cita:
[...]
d) o dia em que o fato se tornou conhecido pela Procuradoria, nos casos em que a infração, por sua natureza, só puder ser conhecida em momento posterior àqueles mencionados nas alíneas anteriores, como nos casos de falsidade".