segunda-feira, 9 de junho de 2014

Depoimentos dos amigos de Fernandão

Foram 18 horas de dor, lágrimas e homenagens. A morte de Fernandão na madrugada de sábado comoveu amigos, familiares, torcedores de Goiás e Internacional, além de amantes do futebol. O sentimento de tristeza para com o falecimento do ex-jogador, que perdeu a vida em acidente de helicóptero, foi traduzido em palavras e frases emocionadas desde o início do velório do ginásio do Goiás, às 20h de sábado, até o sepultamento, às 15h de domingo, no cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia. 
Fernandão tinha 36 anos e era ídolo não só no Goiás, clube pelo qual torcia e onde começou a jogar futebol, mas principalmente no Inter, campeão da Libertadores e mundial em 2006, com o ex-atacante como capitão. Além dele, os outros quatro tripulantes da aeronave, Edmilson de Souza Leme (vereador de Palmeiras de Goiás), Antônio de Pádua, Lindomar Mendes Vieira (funcionário da fazenda) e o piloto, identificado como Milton Ananias, também morreram. Dirigentes, jogadores e até mesmo rivais que conviveram com Fernandão se emocionaram bastante na despedida ao ex-jogador. Confira os depoimentos.
Iarley, companheiro de Fernandão no Inter e no Goiás
- A gente brincava muito com seu apelido e com sua altura. Mas em campo era só cruzar a bola na cabeça dele que ele marcava. Era não só um grande jogador, como também um grande ser humano. Era um irmão para mim. Quando tive a chance de jogar no Goiás, liguei para ele na hora e fui aconselhado a vir. Depois tive a felicidade de anunciar seu retorno ao Goiás em uma entrevista.
Sérgio Rassi, presidente do Goiás
- O Goiás perde um filho, um atleta que foi exemplo em toda sua carreira desde a escolinha. Sempre foi um líder também. O luto no Goiás é eterno.
Giovanni Luigi, presidente do Internacional
- É a pessoa mais importante da história do clube, pelo menos a mais importante com a qual eu pude conviver como dirigente. Estamos muito abalados.
Cantor Leonardo
- O esporte perde um grande jogador e nós perdemos um grande amigo. O Fernandão representava muito para nós todos. Por onde passou ele deixou muita alegria e competência, era um grande exemplo. É hora de rezar por ele e dar conforto à família.
Fernando Carvalho, ex-presidente do Internacional
- Para mim ele foi o maior de toda a nossa história. A partir do momento em que ele levantou a taça de campeão mundial se tornou o maior. Ele tinha muita importância dentro e fora do clube.
Clemer, ex-goleiro de Goiás e Internacional
- É difícil arrumar palavras. A emoção é muito grande, estou muito triste. Fica uma lacuna, um buraco muito grande, ficam as lembranças boas que temos dele.
Harlei, goleiro do Goiás
- Não tenho nem palavras. Ele era muito jovem. Todos nós recebemos esta notícia com muita surpresa. O Fernando era uma pessoa muito querida, estava sempre alegre e sorridente. Nós encontrávamos sempre no clube, pois seu filho (Enzo) jogava na escolinha do Goiás. É uma perda muito grande.
Alex, meia do Internacional
- Estou custando a cair na real. Ainda fico esperando para vê-lo novamente, mas infelizmente não vamos conseguir. Ele sempre foi muito marcante, em todos os momentos, tanto nos felizes quanto nos tristes. O Fernandão sempre tinha as palavras certas. Ainda conversávamos muito por telefone.
Túlio Maravilha, ex-atacante de Goiás e Vila Nova
- Muita tristeza. Não estamos acreditando ainda. Ele só vai deixar imagens bonitas. Não chegamos a atuar juntos, mas fomos adversários quando eu estava no Vila Nova. Apesar disso, sempre tivemos uma amizade muito grande.
Alex Dias, ex-jogador do Goiás
- O que mais me marcou foi a i dele para a França. Eu estava no PSG, e o Olympique queria um atacante. Falei para o Fernandão ir, era uma ótima chance. Liguei para ele e felizmente deu certo. Voltamos a atuar no mesmo país.
Aloísio, ex-jogador do Goiás 
- O importante foi o que vivemos juntos, a amizade, tanto dentro de campo quanto fora. É doloroso acordar e receber uma notícia tão triste, principalmente para quem é fã dele, pelo que conquistou dentro de campo e a pessoa que ele foi fora de campo. Que Deus dê força à família para superar essa grande perda. A gente fica até sem palavras.
Carlos Alberto Barros, presidente do Conselho Deliberativo do Vila Nova
- Dentro de campo ele sempre foi decisivo e marcou muitos gols no Vila Nova. Isso no esporte, mas no lado pessoal nós éramos amigos. Era uma grande pessoa.
Sizenando Ferro, ex-presidente do Vila Nova
- Fomos adversários no futebol apenas. Todos nós gostávamos muito do Fernandão, éramos vizinhos em Aruanã (local do acidente).
Renan, goleiro do Goiás e ex-jogador do Internacional
- Quando o Goiás me procurou, ele foi a primeira pessoa com a qual eu falei. Pedi seus conselhos, perguntei se valia a pena vir. Ele disse que sim, falou para eu não pensar duas vezes e que eu seria muito bem tratado. Também aprendi muito com ele no Internacional.
Alan Kardec, primeiro técnico de Fenrnadão na escolinha do Goiás
- É um momento difícil para falar em torno disso. Eu tive muitos problemas no passado e fiquei sem saber a quem recorrer. Naquele momento a pessoa que me ajudou e que passou confiança foi o Fernandão.
Guará, ex-jogador e atual membro da comissão técnica do Goiás
- O Fernandão sempre foi muito extrovertido, sempre deixava a gente alegre. Foi um menino que a gente viu crescer.
Kleber Guerra, ex-goleiro do Goiás
- Quando o Fernandão estava na base, ele entrava em campo comigo, como mascote do Goiás. Depois entrou para o time profissional e se tornou um grande jogador. Continuamos muito amigos.
Marabá, ex-volante do Goiás
- No Goiás, sempre diziam que eu corria muito, então eu normalmente era o primeiro a chegar para a comemoração dos gols do Fernandão para dar o abraço. Estou sem palavras, é um dia muito triste.
Cerca de três mil torcedores do Internacional lotaram missa em homenagem a Fernandão no último domingo